Página inicialDestaquesFlorada de árvores nativas dita calendário da natureza e sugere roteiro das flores

Florada de árvores nativas dita calendário da natureza e sugere roteiro das flores

Jacatirao em flor. Mata Atlantica. Serra do Mar. Foto Gislene Bastos


O tempo bem poderia ser contado com base nas floradas das plantas. Apesar de ocorrerem em maior número durante a primavera, não é só nesta estação que podemos observar e nos encantar com as flores. Assim, temos ao longo do ano uma sucessão de belas imagens. Orquídeas, em todas as suas variedades, florescendo de janeiro a dezembro, cerejeiras de junho a setembro, ipês amarelos e roxos entre agosto e setembro, hortênsias do começo da primavera até o finalzinho do outono, lírios em novembro, jacatirão em dezembro. E é para este último que peço a sua atenção esta semana.

Calendário de floradas em risco com o aquecimento global

A sugestão de calendário acima nem sempre se repete. Ainda mais com a aceleração da crise climática, que provoca o aumento das temperaturas médias e altera o ritmo das chuvas, estiagens e inundações inesperadas ou prolongadas. Para você entender, em setembro último, durante a Semana do Clima, relógios instalados em grandes cidades pelo mundo, alertavam governos e população para a necessidade de ações emergenciais em favor do clima. Pela contagem, temos hoje menos de 7 anos e 100 dias para conseguir a transição do nosso sistema energético, principal gerador dos gases de efeito estufa e que resultam no aquecimento da atmosfera ao redor do Planeta, para uma matriz mais limpa e sustentável.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é 120032478_181476830158852_4768050515713516314_n.jpg
Relógio no Union Square Metronome de Nova York em regressiva para uma crise climática global, durante a Semana do Clima.

A meta é evitar que a temperatura suba além de 1,5 grau Celsius – ponto que os cientistas concordam que seria um ponto sem volta e que colocaria em risco a vida na Terra. Pelos dados atuais, estamos em torno de 1,1 grau Celsius acima do registrado no período pré-industrial, segundo a Organização Meteorológica Mundial (OMM), organismo ligado às Nações Unidas. Os impactos dos fenômenos climáticos extremos são sentidos sobre a saúde humana, com ondas de calor intensas, colocam em risco a segurança alimentar em diferentes continentes e, claro, mexem com as floradas daquela árvore imponente na rua de casa…

Hora de olhar para o Jacatirão em flor

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é dsc_5916-896x600.jpg

Já deu uma olhadinha para a mata que resta na sua cidade, ou margens de estrada? Se você mora em região de Mata Atlântica vai perceber que entre o mar verde da floresta há algumas árvores altas, floridas, com cores que variam do branco ao lilás. O jacatirão é uma espécie símbolo de áreas da mata atlântica em regeneração e vive no máximo vinte anos. A árvore cresce rápido e tem uma vida curta – para dar espaço para outras espécies, plantas de crescimento mais lento e que vão ter uma vida bem mais longa, de centenas de anos… se o homem deixar, claro!

Para florescer o jacatirão precisa de muita luz, solo úmido e temperatura moderada. E tais fatores fazem garante à espécie uma profusão deliciosa na Serra do Mar. Quer conferir? Pegue qualquer estrada que ligue a região serrana ao litoral, nos Estados entre o Espírito Santo e Santa Catarina. Uma boa dica é o trecho da BR-101 que vai da divisa do Paraná até Joinville, já em solo catarinense. A rodovia está ladeada de flores dessa que é considerada a Árvore do Natal.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é dsc_5904-896x600.jpg

Impossível não se alegrar! Há até quem defenda o jacatirão como o “pinheirinho de Joinville” porque além da florada típica durante as semanas antes do Natal, ainda tem uma copa larga e bem poderia abrigar muitos presentes aos seus pés. Fica a dica!

Você tem outra sugestão de passeio para a gente se alegrar com as flores? Mande seu comentário pelas redes sociais.

Sem comentários

comente