Página inicialDestaquesSão Mateus do Sul: muito além da erva-mate

São Mateus do Sul: muito além da erva-mate

São Mateus do Sul: muito além da erva-mate. Foto Gislene Bastos

Coloque São Mateus do Sul no roteiro pós-pandemia. Além de chimarrão de qualidade você ainda vai se surpreender com uma rica cultura!

Se você toma chimarrão, muito provavelmente já leu o nome de São Mateus do Sul em alguma embalagem de erva-mate. A cidade fica a 156 Km de Curitiba, bem pertinho da divisa do Paraná com Santa Catarina.

É uma região fria, com temperatura média anual em torno dos 17°C e terra da erva-mate certificada com Indicação Geográfica (IG). A diferenciação garante um produto com características únicas no mundo.

Rua do Mate é aposta para consolidar o turismo

Mas, convenhamos! Dificilmente uma família vai percorrer cem ou duzentos quilômetros apenas para tomar um chimarrão, por mais especial que a planta seja. E a cidade se esforça para ganhar a atenção dos turistas criando novos atrativos.

A Rua do Mate é a grande novidade. Com investimento de quase dois milhões de reais, a obra tem inspiração em estruturas similares existentes em Gramado e Nova Petrópolis, no Rio Grande do Sul. Quem chega à cidade pela BR-476, vindo do Sul, tem acesso direto ao novo atrativo. 

A obra começou no ano passado e foi concluída agora em outubro. Caciano Souza, diretor de turismo do Conselho de Desenvolvimento de São Mateus do Sul – CODESAMAS, é um dos idealizadores da Rua do Mate e esclarece que a ideia é atraiar visitantes mostrando num só lugar os encantos da cidade.

Em maio do ano passado, a primeira Festa da Colheita do Mate deu uma amostra disso. Confira no vídeo.

Não é qualquer chimarrão! 

A erva-mate é considerada uma super planta com mais de 190 componentes comprovados para a saúde. As propriedades tem aplicação na indústria cosmética, farmacêutica, alimentícia. E se você passar pela cidade, uma dica é tirar onda de morador local e conferir esse mate amargo na tranquilidade do banco da praça.

A cidade foi a primeira do Paraná a construir um chimarródromo público. Torneiras de água quente foram instaladas na Praça Nossa Senhora da Conceição, em frente à Igreja Matriz, e oferecem a água sempre entre 68°C e 72°C, faixa de temperatura considerada ideal para apreciar melhor todas as características da erva.

Outro ponto para conhecer e garantir uma foto é a caixa d’água da cidade, em formato de cuia. A estrutura da Sanepar tem 23m de altura e conta com o reservatório mais um tripé e a bomba. 

Erva-mate e cultura polonesa

Mas São Mateus do Sul não é só chimarrão! Em torno de 75% dos habitantes tem origem polonesa e a cultura dos colonizadores está estampada no casario tombado pelo patrimônio histórico, na alimentação típica e nas manifestações culturais preservadas. Investir na divulgação da riqueza dessa herança é um dos planos do setor turístico local, como explica Caciano Souza.

Os moradores convivem dia a dia com o futuro de inovações e o rico passado. Um passeio pelas margens do rio Iguaçu nos apresenta ao vapor Pery, símbolo das navegações que ajudaram no desenvolvimento da região e no enriquecimento de famílias tradicionais. Erva-mate e madeira eram escoadas pela hidrovia que ligava São Mateus do Sul, Porto Amazonas e União da Vitória entre o final do século XIX e meados do século passado. Mais de 70 vapores chegaram a navegar pelos 350 quilômetros de extensão da antiga hidrovia. Uma história que pode ser conferida numa visita à Casa da Memória Padre Bauer, bem no complexo da Rua do Mate. 

Sem comentários

comente