Página inicialSustentabilidade empresasCarro elétrico, híbrido e sustentável: tendência ou necessidade?

Carro elétrico, híbrido e sustentável: tendência ou necessidade?

Carros elétricos e híbridos

O carro elétrico em debate. Mais ecológicos. Mais amigos do meio ambiente e do nosso futuro. Os sistemas instalados nos veículos elétricos e híbridos reduzem as emissões de gases geradores do efeito estufa (GEE), especialmente o dióxido de carbono (CO2). Esses gases fazem aumentar a temperatura média no planeta – hoje 1°C mais quente que no início da era industrial – o que provoca mudanças no clima. Já existem modelos de motores com emissão zero de GEE sem perda significativa da eficiência e do rendimento do carro. Reduzir o uso do automóvel convencional, com motores a combustão, se tornou um compromisso com a qualidade do clima e a redução do aquecimento global. Um carro médio, movido a combustíveis fósseis como gasolina e diesel, se rodar trinta quilômetros por dia, ao final de um ano, terá emitido gases poluentes que 17 árvores levariam 37 anos para absorvê-los. O planeta não consegue mais lidar com isso. Pesquisas recentes revelam que em São Paulo, 72% das emissões de gases de efeito estufa são provenientes dos carros. No Brasil, três quartos das emissões totais são resultado do transporte individual.

Confira todas as reportagens da série!

 

Carro na cidade e por do sol

 

Ampliar o acesso aos carros elétricos e híbridos é uma medida auxiliar na limpeza da cadeia energética. Isso ocorre mesmo com a extração de minérios, como o lítio das baterias, usados no processo produtivo. Mas, para ser verde mesmo, o ideal é que a energia gerada para carregar as baterias também venha de fontes renováveis, como eólica e solar. Especialistas do setor estimam que até 2030 os carros elétricos serão um quinto da frota mundial. Do total de veículos fabricados e comercializados, 70% vão estar totalmente conectados à internet.

 

O Nissan LEAF ganhou em 2018 o prêmio da Consumer Technology Association como  “O melhor em Inovação da CES”

O Nissan LEAF ganhou em 2018 o prêmio da Consumer Technology Association como  “O melhor em Inovação da CES”

 

O Ford Fusion está entre os veículos híbridos com maior número de licenciamentos no Brasil.

O Ford Fusion está entre os veículos híbridos com mais licenciamentos no Brasil.

 

A frota mundial de veículos cresce entre 3% e 4% ao ano. Já o mercado de elétricos e híbridos salta 57% ao ano, desde 2012. Ainda assim, em 2017 os elétricos representavam apenas 0,2% da frota mundial, com três milhões de unidades. Os mais vendidos, de acordo com a Agência Internacional de Energia (IEA), são os modelos puramente elétricos com recarga de bateria em rede elétrica. Dentro do esforço de transição para energias verdes, a China conta hoje com metade de todos os veículos elétricos e com 99% dos ônibus elétricos que circulam no mundo. A fabricação de carros movidos a gasolina e a diesel está com os dias contados na Noruega (2025), Índia (2030), França e Reino Unido (2040). Estados Unidos e China também estão nessa trilha.

 

Carros elétricos TESLA Model Y

Nos Estados Unidos a Tesla só fabrica carros com motores elétricos.  O Model Y é o SUV elétrico da montadora americana. O carro tem autonomia de 450 km e capacidade para transportar até sete pessoas e espaço para bagagens.

 

O setor automotivo é dos que mais precisam adaptar operações e produtos por causa das mudanças climáticas. Adequações nas linhas de montagem para reduzir o uso de recursos naturais, substituição de matérias-primas, investimentos em tecnologias limpas, tratamento de efluentes, logística reversa. As medidas são complementares. Em 2016, o setor de transportes respondeu com 39% das emissões de GEE. Relatório do WWF Brasil indica que o aumento em 10% da frota de veículos elétricos em São Paulo, já equivale a 2,5% da meta para reduzir as emissões com a qual o Brasil se comprometeu no Acordo de Paris. Segundo o coordenador do programa Mudanças Climáticas e Energia do WWF-Brasil, André Nahur, se a circulação de veículos elétricos no Brasil chegar a 25% do total da frota de veículos de passeio no país até 2030, a redução de emissões seria de 30 milhões de toneladas CO2. Além dos benefícios para o planeta, os carros com motores movidos a eletricidade tem menor custo de abastecimento e a longo prazo, segundo alguns estudos, podem ser mais vantajosos também financeiramente.

Como é feito o pagamento pela energia consumida durante a recarga da bateria veicular?

Os modos variam, mas na maior parte dos casos, um cartão para liberação de recarga nos eletropostos acompanha os carros entregues ao consumidor. A configuração interna direciona a conta para o proprietário. A Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) já regulamentou a recarga de carros elétricos como um mercado livre de prestação de serviço.

Carro elétrico carregando bateria

 

No Brasil os carros elétricos e híbridos ainda chegam ao consumidor com o custo elevado. A forma de tributação e a infraestrutura para abastecimento e manutenção desses modelos são as principais causas. A baixa densidade energética das baterias de lítio combinada em alguns casos a longos períodos de recarga, é outro limitador. Aos poucos, esses empecilhos vão sendo quebrados. Recentemente o governo reduziu a tributação para o segmento. Já a disponibilidade de postos de recarga, e até a capacitação de profissionais para manutenção, depende de parcerias entre governo e iniciativa privada.

Prius Toyota

Prius, da Toyota, foi lançado em 1997 no Japão e se tornou um dos modelos mais populares entre os veículos elétricos e híbridos. A fabricante espera que até 2022, 30% de suas vendas no Brasil sejam de carros verdes. Isso significa aproximadamente 50 mil unidades dos 170 mil veículos comercializados ao ano.

 

Arte carros elétricos e híbridos

Os modelos HEVs e PHEVs podem ser até 40% mais eficientes que os modelos tradicionais a combustão interna. Fonte: BNDES

 

A frenagem regenerativa é dos avanços tecnológicos mais importantes para o rendimento dos elétricos e híbridos. Ao pisar no freio, o motorista aciona a conversão de energia cinética em eletricidade para recarregar a bateria. Isso significa menos tempo, ou nenhum, com o carro ligado à rede energia.

Quem compra um carro elétrico no Brasil?

A Renault é líder em elétricos no Brasil. Entre novembro e março a montadora colocou no mercado cinco carros por mês, só para consumidores finais. No primeiro dia de abril, foi entregue o último veículo 100% elétrico do lote de lançamento do Renault Zoe, aberto em novembro do ano passado, durante o Salão do Automóvel, em São Paulo. O Zoe de número 20 saiu da concessionária Globo Renault em Curitiba, direto para as mãos do casal Fábio e Angela Fillipini.

 

“Há alguns anos ouvi uma frase muito interessante, de Mahatma Gandhi, que dizia ‘Seja a mudança que você gostaria de ver no mundo’. Com essa ideia construo minha vida ao lado de minha esposa e filhos. Quem adquire um carro elétrico hoje busca um viver de ética com a natureza. Não é somente um carro, é um modo de viver consciente.” Fábi Fillipini

Renault Zoe consumidor final

O engenheiro eletricista fundou com a esposa Angela, há 27 anos, a Graphus Energia que oferece soluções para uso eficiente de energia. Antes da compra, o casal fez uma longa pesquisa entre as opções disponíveis no mercado e a oferta de assistência técnica para ter certeza do suporte de uma concessionária. Com o carro já há algumas semana, eles o batizaram de “Buddha – o desperto”. Para Angela dirigir um elétrico é diferente, “trata-se de uma direção de forma meditativa. A ausência de ruído traz paz interior”, sugere ela, que é formada em eletrotécnica pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR). “Aí já viu porque gostamos do elétrico”, completa Fábio. Com mestrado em energia e ciências térmicas pela mesma universidade, ele viu na aquisição um complemento natural do trabalho que exercem. “Mas tem que reduzir o preço para o carro elétrico se tornar mais atrativo financeiramente.”

 

Renault Zoe clientes

O som medido dentro da cabine do Zoe ao percorrer entre 40 e 75 km/h é de 60 a 65 dB. Isso fica entre  2 e 3 vezes abaixo de um veículo tradicional com potência equivalente.

Ainda no mês de abril, um novo lote do veículo será disponibilizado para entrega aos clientes, de acordo com a diretoria da Renault em São José dos Pinhais. As concessionárias que comercializam o Zoe, em Curitiba e São Paulo, são homologadas pela fábrica para fazer a manutenção no Brasil. As empresas precisaram investir em estrutura, ferramentas, pessoas e treinamentos, segundo o  diretor geral do grupo Globo Paraná, Luiz Rezende. Outros modelos 100% elétricos da montadora em circulação no Brasil são o Twizy, Kangoo Z.E. e o Fluence, todos comercializados com empresas para projetos de mobilidade zero emissões. Atualmente, o Grupo Renault é líder em veículos elétricos no Brasil e na Europa.

 

Entrevista com o presidente da Renault do Brasil, Ricardo Gondo

 Ricardo Gondo Presidente da Renault do Brasil.

Por que ainda vemos tão poucos elétricos circulando com o consumidor final no Brasil? O preço é o limitador?

O que podemos observar em outros mercados ao redor do mundo, onde há o aumento na presença dos veículos elétricos, é que este crescimento está relacionado com políticas públicas. Na França, por exemplo, em função da isenção de impostos e de incentivos, o consumidor pode adquirir um veículo elétrico pelo mesmo preço de um veículo à combustão.

O que fabricantes e governos estão fazendo para ampliar o acesso?  

No Brasil algumas medidas já foram adotadas para viabilizar a compra dos veículos elétricos, como a redução do IPI de 25% para 8% no caso do Zoe. Há duas semanas o governador do Paraná Ratinho Jr. anunciou a isenção do ICMS e do IPVA no estado. Acreditamos que outras novidades virão para facilitar o acesso à mobilidade zero emissão.

Existe a possibilidade de produzir carros elétricos no Brasil?

Com a comercialização de todas as unidades do primeiro lote de 20 unidades do Zoe, estamos trazendo ao país um novo lote, que já possui clientes aguardando a entrega. Temos em andamento diversos projetos e parcerias voltadas aos veículos elétricos e à mobilidade zero emissão. A decisão de produzir o veículo no país depende da demanda. No momento não há previsão.

 

Confira todas as reportagens da série!

 

Sem comentários